Sítio Arqueológico no bairro da Liberdade é cadastrado pelo IPHAN

Sítio Arqueológico no bairro da Liberdade é cadastrado pelo IPHAN

O Sítio Arqueológico Cemitério dos Aflitos, localizado no bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), foi incluído na plataforma de informação e gestão do Patrimônio Cultural, gerenciada por meio do Sistema Integrado de Conhecimento e Gestão (SICG). O cadastro feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), no dia 13 de fevereiro, apresenta importante significado histórico para a cidade, na medida em que recupera uma memória praticamente perdida.

O sítio, descoberto durante pesquisa arqueológica realizada em um terreno da Rua dos Aflitos, integra a área envoltória da Capela dos Aflitos, tombada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). Durante atividades realizadas na região, pesquisas revelaram que a área do cemitério – fundado no Distrito da Glória, antigo Distrito Sul da Sé, em 1775, e destinado à população pobre que vivia na região – era habitada por grupos sociais excluídos do processo de desenvolvimento da cidade, antes da modernização.

No local, foram encontradas ossadas de nove indivíduos, localizadas em um estrato mais profundo do terreno onde, segundo apontam os estudos, foram sepultadas pessoas executadas, indígenas e escravos. O estudo identificou ainda materiais (botões) diretamente associados a dois indivíduos, como parte da indumentária de um indivíduo e quatro contas de vidro azul junto ao pescoço de outro.

“Quanto às contas de vidro, os dados levantados pelo estudo indicam que estas estavam vinculadas à religião de matriz africana, especialmente ao culto de Ogum – conclusão tecida a partir de outros contextos brasileiros, e respectivos estudos que ligam a prática de levá-los à sepultura aos costumes das populações de Guiné, Nação Cabinda ou Benguela”, conta a arqueóloga do Iphan-SP, Leila Maria França.

IPHAN
Foto via Divulgação / Acervo IPHAN

Até o momento, devido ao estado precário e incompleto dos achados, sabe-se apenas, por meio de análises preliminares, que a maioria dos indivíduos é composta por adultos, e que dois deles eram do sexo feminino. Outra conclusão é que a saúde bucal dos indivíduos era bastante precária – um dado que confirma o estado de miséria da população ali sepultada.

“Acredita-se que o Cemitério dos Aflitos abarcava uma área muito maior, que hoje inclui vários edifícios comerciais na vizinhança do terreno – área essa que corresponde ao perímetro do sítio arqueológico cadastrado. O próximo passo será realizar análises laboratoriais avançadas, visando responder perguntas relacionadas à ancestralidade, dieta, e mobilidade humana (movimentos migratórios), entre outras, que poderão produzir novos dados sobre os indivíduos identificados, quanto à sua origem, costumes, possíveis patologias, etc”, completa a arqueóloga.

Com o cadastramento do sítio arqueológico, o Iphan dará início a um processo de gestão conjunta com os órgãos estadual e municipal, grupos e entidades interessadas. Após a conclusão das análises laboratoriais, os remanescentes humanos deverão ser depositados de forma segura em um espaço que represente a memória desses indivíduos e dos grupos sociais que os representam.

“Devido à presença de indivíduos ligados à herança africana, e também indígena, entre outras identidades ali presentes, o sítio tem grande representatividade social, e o setor do terreno estudado tem sido objeto de tratativas entre a sociedade e o setor público, visando à construção do Memorial dos Aflitos. Desta forma, o local de guarda poderá ser o próprio memorial, quando for implantado”, finaliza.

Mais Informações:

Texto por Agência com edição de Carolina Berlato

Imagem Destacada via Divulgação / Acervo IPHAN

 

Follow by Email
Facebook
YouTube
Instagram