Serra da Canastra: tesouro ecológico tem obrigação de ser preservado

Serra da Canastra: tesouro ecológico tem obrigação de ser preservado

Em São Roque de Minas fica a maior parte do Parque Nacional da Serra da Canastra. Criado em 1972, o local é um dos mais importantes do Brasil e recebe, durante o ano, milhares de  turistas daqui e do exterior, que apreciam a beleza de suas paisagens e uma infinidade de seus atrativos naturais. Entre os mais famosos estão: a nascente histórica do Rio São Francisco e a Casca d’Anta, cachoeira que atinge mais de 186 m de queda livre e é considerada a sexta maior do Brasil.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Conhecer as belezas da Canastra é um passeio e tanto para quem tem espírito de aventura. Apesar do acesso à região ter sido facilitado ao longo dos anos, circular em carro de passeio por lá ainda reserva algumas dificuldades. Nossa recomendação é hospedar-se em São Roque de Minas, principalmente na área central, e ali contratar um guia para realizar os passeios.

Foto por Patricia Campos

Para chegar até lá, a maioria dos visitantes se vale dos 60 quilômetros asfaltados da MG 341, a partir da cidade de Piumhi. Daí em diante até a parte baixa do parque são 24 km asfaltados até Vargem Bonita e outros 26 km de terra até a portaria Casca d Anta. Atravessar os 72 km da estrada de terra e muitas pedras que cortam o parque, ligando as portarias de São Roque e Sacramento, é uma missão de quase três horas, em dias normais. A estrada é boa, mas precisa necessariamente ser conduzida por motoristas experientes.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Para uma viagem tranquila e sem maiores surpresas, recomendamos o Guia Vicente Zacarias da Costa, conhecido carinhosamente por “seu Vicente”, que tem base de atendimento no Hotel Chapadão da Canastra. Ele é nativo, tem 60 anos de idade, conhece a região como ninguém e é um profundo conhecedor da fauna e  flora que compõe a Canastra. Tem muita habilidade com idosos e crianças e sabe conduzir com muito profissionalismo.

Águas, nascentes e cachoeiras

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

O Parque Nacional da Serra da Canastra foi criado em 1972 para preservar a nascente do Rio São Francisco. O local tem paisagens deslumbrantes onde predominam Campos de Altitude e o Cerrado. Com um pouco de paciência e sorte, principalmente do guia condutor, é possível encontrar belos animais no parque, como: veado-campeiro, tamanduá-bandeira, lobo guará, tatu-canastra, entre tantos outros. Além disso, centenas de pássaros como tucano, gavião, pica-pau, o raríssimo Pato-Mergulhão e uma infinidade de outras aves que habitam tanto a parte alta como a parte baixa das matas do exuberante parque. O principal objetivo dessa área é a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas, desenvolvimento de atividades de educação, ,observação de pássaros, contato com a natureza e  turismo ecológico.

Foto por Patricia Campos

Aliás, a fauna apresenta espécies endêmicas de anfíbios e répteis, população grande de mamíferos e aves ameaçados como macaco sauá, gato palheiro, lobo guará, a raposa do campo, a lontra, a jaguatirica, o pato mergulhão, entre tantos outros.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Como a Serra da Canastra é um mundo de águas e montanhas, não deixe de visitar a nascente do Rio São Francisco e famosa Cachoeira Casca D’Anta. Vale ainda percorrer as deslumbrantes estradinhas de terra e explorar as cachoeiras do Fundão ou Gameleira, com 90 metros de caída, formando um poço onde pode-se nadar com cuidado. Outra que merece uma visita é a Cachoeira do Cerradão, com 15 minutos de caminhada leve, o visitante chega à piscina formada pela primeira das três quedas. Siga a placa para ducha, se quiser experimentar uma hidro natural.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Já para a Cachoeira da Parida é preciso atravessar o parque e ainda dirigir um bocado até depois da portaria de Sacramento, mas o esforço vale a pena. O dono da fazenda explica o caminho até a queda, além da paisagem ser linda o local é um dos menos visitados do parque. Outras duas opções de passeios imperdíveis é o Complexo de Cachoeiras do Capão Forro e a Chinela. Leve sempre, água, lanche, frutas e barrinhas de cereal, pois nos passeios você sempre sabe o horário de saída e sempre erra o horário de retorno.

Foto por Patricia Campos

Mineração jamais! Preservação sempre

O grande medo da população local e dos turistas apaixonados que por ali transitam, é que essa região venha iniciar um processo de exploração de minérios. É importante destacar que Minas Gerais tem de adotar com a máxima urgência uma política para garantir às futuras gerações a preservação integral desse verdadeiro patrimônio ecológico. Não as mineradoras, esse é o grande clamor de todos!

São Roque de Minas: a capital da Canastra

São Roque de Minas é considerada a “capital” da Serra da Canastra, próxima à maioria das atrações e com maior oferta de pousadas e serviços. Localizada no bairro da Biquinha, coladinha ao centro, o Hotel Chapadão da Canastra oferece a melhor oferta de lazer da cidade. Recentemente foi inaugurada área de lazer com hidromassagem, piscinas climatizadas, brinquedos para crianças, bar de piscina. A área fica rodeada pela mata e ao fundo corre o silencioso rio do Peixe.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Outro diferencial da Canastra é a produção exclusiva do queijo, que hoje torna a região conhecida nacional e internacionalmente. A Aprocan – Associação dos Produtores de Queijo Canastra, com sede em São Roque de Minas, tem por objetivo valorizar e divulgar para o Brasil e para o mundo essa iguaria reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Iphan e Iepha. O queijo tipo Canastra teve sua origem lá na Serra da Estrela, em Portugal, chegando ao Brasil através da colonização. A receita dessa tradição resultou em um tipo de queijo que se  tornou um dos mais famosos do mundo: sofrido na sua origem, romântico na sua trajetória, nobre em nuances, único em texturas e sabores, sonho de consumo. Essa alquimia do leite fresco, “in natura”, rompe as serras, chegando a remota Canastra.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Atualmente, a associação trabalha para a criação de um roteiro turístico denominado “Rota do Queijo”, que visa agregar valor ao destino turístico, integrando os visitantes ao sabor único desse produto exclusivo que leva o aroma, o sabor e exclusividade da Canastra para além de seus limites. Vale a pena visitar ao menos três das mais de uma centena de propriedades locais que fabricam o delicioso Queijo da Canastra. Vale visitar a Queijaria Roça da Cidade que fica ao lado do Parque Nacional e possui via de fácil acesso, com vista panorâmica da serra. Durante o passeio, o visitante aprenderá com o proprietário João Carlos – Joãozinho – como são feitos os processos e a produção dos queijos, além de poder degustar os produtos no local e comprar queijos para levar para presentear ou para consumo próprio.

Foto por Cláudio Lacerda Oliva

Já na Fazenda Capão Grande que fica aos pés da Canastra envolto a mata preservada, a fazenda comandada pelo casal Solange e Carlos Henrique é a principal responsável pela produção de queijos, além de possuir uma piscina de água natural. Os visitantes podem se deliciar com um típico café da tarde, recheado de bolos, biscoitos, café, leite, suco, pão de queijo, e claro, o famoso Queijo da Canastra. Finalizando, vale conhecer a história do Ivair e sua esposa Lúcia. Eles coordenam o Sítio Bela Vista,  que produz um dos melhores queijos da região. Localizada a cerca de 15 minutos do centro de São Roque de Minas, a queijaria possui  estrutura moderna sendo uma das mais tradicionais. O visitante pode degustar os queijos e comprar os produtos fresquinhos para levar e degustar com um bom vinho. Há também a produção de manteigas especiais. Há mais de uma dezena de outros produtores abertos a visitação em toda a região que compõe o entorno do Parque.

Hotel atende famílias ampliando o foco para as crianças

Foto por Divulgação

O Hotel Chapadão da Canastra, situado na cidade de São Roque de Minas, é o local ideal para quem quer explorar as atrações da região. Unindo o rural e o urbano, com estrutura de hotel e aconchego de pousada, o empreendimento ocupa um terreno de cinco mil metros quadrados onde mais da metade é composta de exuberantes jardins que chamam a atenção de seus visitantes. Localizado à margem do Rio do Peixe, é possível encontrar ainda, pequenos animais silvestres e diversas espécies de pássaros.  São 24 apartamentos com uma área de 25 metros quadrados, com banheiro completo, com frigobar, TV LED 32’, telefone, ventilador e ar condicionado, além de varandas com vistas da exuberante serra e do bosque que margeia a propriedade.

O café da manhã é um verdadeiro show de quitutes da culinária mineira. Os hóspedes contam com o café gourmet da canastra, cinco versões do pão de queijo, mais de oito opções do queijo da Canastra e quitutes que lembram as receitas da fazenda da vovó, como deliciosas pamonhas, o famoso João Deitado, pãezinhos recheados com carne, palmito, frango e queijo, além de salgadinhos produzidos diariamente. São mais de 40 itens, incluindo ainda sucos, geleias, pratos salgados, bolos e tortas.

Foto por Divulgação

Para as famílias e principalmente as crianças, depois de um longo dia de passeio, nada mais gostoso do que curtir o parque aquático composto de piscina adulto e infantil, hidromassagem aquecida e barzinho, além de salão de jogos, loja de artesanatos, videoteca, lan house e wi-fi.

Duas dicas para comer por lá

Velho Chico resgata culinária mineira e tem mostra de fotos históricas

Foto por Divulgação

O Restaurante Velho Chico foi  Inaugurado em Julho de 2017 tem no comando o casal Ricardo Aziz e Elaine Silva. P Aziz, uma famosa esteticista que trocou o exterior para fazer uma comida com alma e sabor . Já Ricardo, deixou Belo Horizonte para se dedicar a gastronomia e viu em São Roque de Minas a qualidade que faltava para ter uma vida mais feliz. O local tem uma decoração colorida e descolada, num ambiente alegre e aconchegante, com cardápio variado e forte propondo resgate da cultura de Minas Gerais.  Na área interna, fotos antigas da cidade, aliado ao sabor mágico de pratos que circulam pela gastronomia contemporânea, sem esquecer do sabor e da tradição da comida preparada com ingredientes frescos. Dentre os pratos mais pedidos destacamos filé ao molho de queijo, pastel de angu e para quem prefere algo mais tradicional o verdadeiro tutu a mineira. Experimente também as deliciosas sobremesas da casa, como o Petit Gateau ou Pudim de Leite. Periodicamente o Velho Chico realiza  mostras gastronômicas, como festivais de comida japonesa, e italiana, por exemplo.

Mais informações em: restaurante-velho-chico.negocio.site

Buffet de fogão a lenha abraçado pela Serra

Nascida em Coronel Fabriciano, no Vale do Aço, a chef Joanne Ribas aposta na culinária de afeto, onde o desafio é agradar a todos sem interpretação ou conceito, para fortalecer a gastronomia típica da fazenda. A chef vem atuando na região desde 2014, com o objetivo de resgatar a tradicional comida mineira com uma pitada de sofisticação. Hoje, Joanne comanda o Cozinha Original, espaço com restaurante, mirante e área de camping na parte baixa do parque. O Buffet custa R$ 35,00 por pessoa, com grande variedade de saladas, pratos quentes, e duas sobremesas. Café e afeto é o que não faltam por lá. Depois de se esbaldar com tanto sabor, nada mais gostoso do que uma rede pra descansar e se recondicionar para novos passeios.

Mais informações em: cozinhaoriginal.com.br

Onde ficar

Hotel Chapadão da Canastra – Diária casal a partir de R$ 255,00 incluindo café da manhã. Mais informações em: chapadaodacanastra.com.br

Texto por: Cláudio Lacerda Oliva – o jornalista viajou a convite do Hotel Chapadão da Canastra com apoio dos restaurantes Velho Chico e Cozinha Original.

Foto destaque por: iStock / Luciano_Queiroz

Follow by Email
Facebook
YouTube
Instagram