Bom Jesus de Matosinhos está recuperada em Congonhas

Bom Jesus de Matosinhos está recuperada em Congonhas

Rodando pouco mais de uma hora a partir de Belo Horizonte, um destino interessante é a cidade de Congonhas. Turistas do mundo inteiro viajam até lá para apreciar o Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, considerado o maior complexo de arte colonial do mundo e que acabou de ser totalmente restaurado. A cidade abriga um dos mais interessantes e expressivos museus do país, cachoeiras, pousadas e restaurantes intimistas com bons serviços , além de um clima cordial da população local.

A construção do santuário começou em 1757, após a graça alcançada pelo português Feliciano Mendes, que havia prometido a Bom Jesus de Matosinhos, erguer uma igreja em sua homenagem caso conseguisse recuperar a saúde perdida. As obras terminaram em 1790 abrigando criações dos maiores artistas da época.

Foto via iStock por Gilberto_Mesquita

Alguns anos depois, Aleijadinho esculpiu estátuas de 12 profetas bíblicos, instaladas no adro. Na praça em frente ao Santuário foram construídas capelas com as cenas da Paixão de Cristo, com estátuas esculpidas em cedro pintadas por Mestre Ataíde. O espetacular conjunto arquitetônico foi declarado Patrimônio Mundial pela Unesco no ano de  1985.

Parque da Cachoeira e muita cultura

Congonhas não se resume apenas nas obras históricas de Aleijadinho. Conheça também as piscinas naturais do Parque da Cachoeira. A cachoeira que dá nome ao local é formada pelas águas do rio Santo Antônio e tem 25 metros de queda livre que termina numa enorme piscina natural. O parque oferece também, mais de uma dezena de piscinas e áreas para caminhada a camping. Congonhas oferece bons restaurantes como o: Estância Real e a churrascaria Zé Dias.

Foto via iStock por Martinelli73

No museu de Congonhas, o visitante consegue mergulhar ainda mais na história do barroco, do Santuário e na arte sacra. É um grande espaço, com sala de exposições, instalações interativas, biblioteca, auditório, ateliê, espaço educativo, restaurante,cafeteria e anfiteatro ao ar livre. Em pouco tempo de funcionamento, já bateu recorde de visitantes e é um dos atrativos mais interessantes das cidades históricas mineiras. O museu foi concretizado numa parceria entre a UNESCO no Brasil, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a prefeitura e o Banco Santander. O local é um dos mais bem estruturados do país coordenado pelo jornalista e artista plástico Sérgio Rodrigo Reis. Oferece as mais ricas técnicas de áudio e vídeo. Além de ser interativo e acessível, traduz em suas salas a riqueza natural, histórica e humana dessa que é uma das mais belas cidades do país. Congonhas ainda oferece um Museu dedicado a José Arigó – médium espírita que curava enfermos com cirurgias espíritas-, Nas décadas de 70 e 80 chegava a levar mais de 20 mil pessoas a Congonhas por final de semana. Outro destaque interessante na cidade são as peças de artesanato, muitas delas feitas a base de pedra sabão. Toalhas de mesa e banho em crochê e peças bordadas também são boas opções de compras no local. Atualmente a cidade realiza um belíssimo trabalho de restauração dos sítios históricos. Já foram restauradas mais de quatro igrejas e atualmente o trabalho mais recente foi a entrega e recuperação da Basílica de Matozinhos. Os investimentos são do PAC DO Turismo da ordem de 60 milhões de reais. Atualmente está em recuperação o trabalho do Julibeu.

Serviços

Museu de Congonhas

Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, s/n, Congonhas, Minas Gerais

De terça a domingo, das 9h às 17h

Ingresso: R$ 10,00 (inteira)

Entrada gratuita toda quarta, das 13h às 21h

Mais informações pelo telefone: (31) 3731-3979

Como chegar

Saindo de São Paulo, seguir pela BR381, sentido BH, até o trevo para Lavras. A partir daí a viagem prossegue pela BR265 até São João Del’Rei. Neste ponto existem duas opções, praticamente com a mesma distância. A primeira é continuar na BR265 até Barbacena e de lá pegar a BR040 (sentido BH) até Congonhas.

Onde ficar

Casarão de Pedra: casaraodepedra.com.br

Onde Comer

A cidade tem bons restaurantes como o Estância Real ou a churrascaria Zé Dias.

Texto por Cláudio Lacerda Oliva

Imagem Destacada via iStock por Hugo Cordeiro

 

Follow by Email
Facebook
YouTube
Instagram